terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Odeio o Natal

Odeio o Natal. Simplesmente não gosto, nunca gostei. Nas minhas melhores fases, já fingi que gostava só prá deixar a minha mãe feliz, mas no dia seguinte acabava destruída emocionalmente pq fingi a noite toda uma coisa que não sou.
Definitivamente não é prá mim essa coisa de amigo secreto, madrinha, padrinho, avós, primos, tios, bláh... É um monte de gente que não se curte e é obrigado a passar uma data juntos só pq têm a mesma origem e, de acordo com as convenções sociais, deveriam se gostar. Mas na verdade é só fingimento. Família prá mim é pai, mãe, irmãos, marido, filhos. Tios, avos, primos e cunhados não são família. São no máximo parentes. Meus tios são família dos meus pais, mas não são minha família, entende? Se rolar afinidade, a gente tem amizade e algo mais que uniria, que é o fato de ser parente. Se não tiver entrosamento, serão apenas laços de sangue e respeito mutuo. Mas não amizade! Acabou aí. Família prá mim é um conceito muito mais amplo, que não engloba parentes.
Só gosta do Natal as pessoas que tem realmente amigos em família, quando você quer ir prá ver uma ou várias pessoas que te fazem feliz, que você sabe que poderá encontrar no final do ano e esperou o ano inteiro por isso. É muito diferente quando você não tem afinidade nenhuma com aquelas pessoas. Aí, sabe o que acontece? Somos obrigados a viver esse fingimento do Natal. A irritação vai se acumulando ano a ano. Vai chegando a data e vc já sabe que aquelas luzinhas piscantes pela cidade significam que você terá que cumprir uma noite de obrigações chatas. Chega o próximo ano, e o outro, e o outro, e então vc passa a não gostar mais do Natal! Porque o associa a uma coisa ruim! E então você resolve ser verdadeiro consigo mesmo e não vai à festa. E no dia seguinte??? É tachado de anti-social, quando na verdade foi o mais verdadeiro de todos. É horrível ficar na casa dos tios, com aqueles invejosos te olhando e perguntando: casou? tá namorando? perdeu o emprego? pegou DP na faculdade? Na verdade eles estão loucos prá descobrir algum podre alheio prá poder fofocar com os outros no dia seguinte, ou durante o resto da noite mesmo! Pode ter certeza que eles vão gostar mais de saber de alguma desgraça do que de uma vitória. E aquela madrinha que vem com papo de te trazer presentes horrorosos totalmente fora de moda e numero de roupa errado. Não serve nem de pano de prato, porque é todo furadinho de renda brega. E a musica da Simone cantando "Então é natal", que eu carinhosamente apelidei de: "Melô do depressivo suicida". Tem coisa pior!? Tem! Especial de fim de ano com Roberto Carlos na Globo! Galera, ele repete aquele show há uns 100 anos. São as mesmas músicas, as mesmas tias encalhadas babando por ele...
Pois é, entre essas e outras tantas coisas, cada vez há mais pessoas odiando o natal. É uma data melancólica, depressiva, falsa, que perdeu totalmente o encanto ao qual foi proposto, o tal do "Espírito Natalino" que nos outros dias do ano chamamos de Hipocrisia. E eu espero ansiosamente há 30 anos pelo dia em que terei um natal feliz não entre parentes, mas sim entre família.

0 comentários:

Seu Apoio Juridico

Medicina em Foco - últimas postagens