sexta-feira, 12 de maio de 2006

Transformação

"Pobre lagarta, por que rastejas,
Em buscas vãs, tão rente ao chão?
Não sabes, então, quem és?
Não sabe a que viestes?

És borboleta, cheia de cores!
Foste criada para colher,
Das belas flores o rico pólen
E ao espalhá-lo por onde passas
Toda beleza multiplicar

Tem fé, lagarta, no que parece,
Ser impossível acontecer.
Hoje, rastejas, mas, de repente,
sem que percebas como ou porque
Por um desejo, forte e inconsciente
Em teu casulo te isolarás

Então aí, a sós contigo
Nem vais ao menos te importar.
O que era tão belo e caro
O que julgavas tão necessário.

Da forma tosca serás liberta
E o mistério acontecerá!

Será cumprido então o propósito
A que vieste desde o início
Na borboleta que um dia foste
Saberás como te transformar."

- Esta mensagem foi encontrada na última página do livro biográfico da Heloisa Rojo de Vasconcellos Machado (SP, 05/agosto/2004) -

1 comentários:

Érico disse...

São quase nove anos sem Heloisa e continua assim presente...Grande Mãe e Grande Artista...

Seu Apoio Juridico

Medicina em Foco - últimas postagens