sábado, 22 de dezembro de 2007

Mais um caso de cão assassino: Pitbull

Com exceção a raríssimos casos, eu sou absolutamente contra essa raça perigosa e assassina O dono que busca um animal para criar, normalmente procura um com o qual tenha afinidade. Por isso, não consigo imaginar uma pessoa calma e pacífica dona de um Pitbull. Volto a afirmar que existem raros casos de exceção! O controle de venda dessa raça deveria ser mais criterioso, mais controlado, para se certificar que o animal viverá em condições que propiciem segurança às pessoas. Essa reportagem abaixo é mais um exemplo do perigo deste animal. Leiam e reflitam:

Juiz nega indenização a dono de pit bull morto quando atacava vira-lata
O juiz Francisco Rogério Barros, titular da Vara Única da Comarca de Campinápolis (MT), julgou improcedente nesta quinta-feira (20/12/07) o pedido de indenização por danos morais e materiais ajuizado pelo dono de um cão da raça pit bull que foi morto a pauladas pelo dono de um vira-lata. Cabe recurso. Segundo o juiz, quem pretende criar um animal violento, como cães da raça pit bull, deve adotar todas as providências para evitar que ele ande pelas vias públicas com risco de atacar crianças, adultos, idosos e animais. O pit bull entrou na casa do dono do vira-lata e atacou seu cachorro. Para salvá-lo, o dono do vira-lata pegou um pedaço de madeira e atacou o pit bull, que acabou morrendo. De acordo com o juiz Francisco Barros, o dono do vira-lata não poderia agir de outra maneira para salvar seu cachorro. "Seria ilógico exigir que o reclamado assistisse de forma mansa e pacífica o ataque do pit bull ao seu cão de pequeno porte, quando se sabe que os ataques dos cães da raça pit bull são extremamente violentos, exigindo-se o uso de todos os meios possíveis para salvar as presas, sem contar que essa espécie de animal já tirou a vida de inúmeros seres humanos em nosso país. Portanto, o reclamante não faz jus a nenhuma espécie de indenização", afirmou o magistrado. Na ação, o dono do pit bull alegou que o vizinho estava descontrolado e que queria matar o seu cachorro. O dono do vira-lata contestou, afirmando que agiu em estado de necessidade, uma vez que o pit bull chegou de repente na cozinha de sua casa, onde estava toda a família, e avançou sobre o seu cachorro, mordendo e agarrando-o pela cabeça, não lhe restando outra alternativa senão pegar um pedaço de madeira para socorrer o seu animal. Alegou ainda que o pit bull era conhecido em toda vizinhança por ser um cão feroz e que estava sempre em via pública, colocando em risco a vida de pessoas e de outros animais. Uma das testemunhas, responsável pelo pit bull no momento do ataque (pois o dono estava em outra cidade), afirmou em depoimento que durante os oito meses em que permaneceu com o cachorro, este fugiu três vezes. Disse ainda que, quando ele fugia, acabava atacando outros cães na rua. Uma policial militar que prestou depoimento revelou que o pit bull já tinha agredido outro cão e que a polícia já havia sido chamada para tomar providências. "Como se vê, as provas colhidas ao longo da instrução não demonstram a culpa do reclamado pelo evento ocorrido. Tendo em conta que cachorro tinha o costume de fugir e atacar outros animais, mostrava-se necessário que o animal deveria estar preso ou em local apropriado para evitar ataques aos seres humanos e outros animais", disse o juiz na sentença. "A prova testemunhal revelou que o reclamado apenas desferiu várias pauladas na cabeça do pit bull, com a finalidade de salvar o coitado do vira-lata, que estava imobilizado na boca do pit bull (...). Assim, a culpa do reclamado não restou evidenciada, pelo extrato probatório contido nos autos, porque ele apenas bateu no pit bull para salvar a vida do indefeso vira-lata", concluiu.

1 comentários:

Anônimo disse...

Graças a Deus! Um pit bull a menos na sociedade! Se eu pudesse, mataria todos os cães dessa raça maldita! Abençoado seja quem consegue abater uma fera dessa.

Seu Apoio Juridico

Medicina em Foco - últimas postagens